jusbrasil.com.br
13 de Dezembro de 2018

“Governo não manda no Enem”, diz presidente do Inep; Bolsonaro criticou questões do exame

Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia responsável pela aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a educadora Maria Inês Fini foi taxativa ao comentar a natureza do exame.

Edson Pereira de Oliveira, Advogado
mês passado

Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia responsável pela aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a educadora Maria Inês Fini foi taxativa ao comentar a natureza do exame. "Não é o Governo que manda na prova", disse a doutora em Ciência, à frente do Inep desde maio de 2016.

Fundadora da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Maria Inês concedeu entrevista ao grupo do jornal espanhol El País, que atua no Brasil, na última segunda-feira (5), cinco dias antes da transmissão de vídeo em que o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), criticou uma questão do Enem relativa à espécie de dialeto falado por gays e travestis, o "pajubá" (veja abaixo a reprodução da questão, usada para abordar conhecimento técnico especificamente relacionado ao patrimônio linguístico brasileiro).

Ontem (sexta, 9), durante o registro de vídeo no Facebook, Bolsonaro disse que esse tipo de pergunta será excluído do Enem, e que sua equipe vai vistoriar as provas antes da aplicação.do exame, que dá a estudantes acesso a mais de 500 universidades públicas e privadas.

"Este tema, da linguagem particular daquelas pessoas... O que temos a ver com isso, meu Deus do céu? Quando a gente vai ver a tradução daquelas palavras... um absurdo, um absurdo! Vai obrigar a molecada a se interessar por isso, agora?" , reclamou Bolsonaro, elencando as "ideologias de gênero" entre as questões que ele diz considerar desimportantes (veja mais em vídeo).

Bolsonaro e seus seguidores têm espalhado a versão de que universidades e escolas brasileiras promovem "doutrinação de esquerda" e fomentam a discussão sobre "ideologia de gênero". As críticas são lançadas principalmente por meio de redes sociais (veja exemplo abaixo, no Twitter), mas também em entrevistas de TV e rádio.

Publicado no site https://congressoemfoco.uol.com.br/educacao/governo-nao-manda-no-enem-diz-presidente-do-inep-bolsona...

6 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

E ele esta errado?
Os professores tem mais viés socialista que conservador e/ou liberal. Mas são tão hipócritas que negam veemente isso.
O Governo não manda, mas os professores que fazem as provas mandam e coloca do jeito que eles acham, sem uma imparcialidade?
Dialogo de Gay é a coisa mais ridícula a cair em prova. Nas escolas não se aprende isso. continuar lendo

Caso alguém não tenha visto a questão, segue o link abaixo:
https://g1.globo.com/educacao/enem/2018/noticia/2018/11/05/veja-resolucao-de-questao-do-enem-que-aborda-status-do-pajuba-como-dialeto-secreto-dos-gaysetravestis.ghtml

Sinceramente o que se vê não é uma bandeira de esquerda, mas de oportunistas.

É como dizer que gosta de pobre, beijar filho de pobre em caminhada e após se lavar com álcool gel, vestir um terno Armani e viajar de jatinho de empresários amigos, saboreando bebidas premiadas e muito caras.

A esquerda se vale de tais discursos apenas para obter o voto.

Prova disso está na orientação leninista-marxista que é a base de muitas das legendas mais representativas da nossa esquerda.

Só em 2018 Cuba começou a rever os direitos dos homossexuais (somente Mariela Castro, filha de Raúl Castro, pode organizar manifestações lá). Eles estão há quanto tempo no poder lá?

Na China sofrem forte repressão social e o governo se vale de métodos de "cura gay".

Na Rússia havia grande preocupação quanto a presença deles durante a Copa 2018.

Na Coreia do Norte dizem não existir gays ... precisa dizer algo mais?

Essa não é uma matriz voltada a direitos. Usam a falácia até tomarem o poder, depois as coisas mudam e muito. Ocorre com os direitos humanos, trabalhistas, liberdade de expressão, religião ... todos terminam subordinados e dependentes ao Estado ... quem os contraria é fortemente reprimido.

Basta ver que no Brasil, em 13 anos de PT, a união estável, o casamento e a adoção por homossexuais, foram conquistadas através da Justiça. continuar lendo

Alguém leu a questão?

Agora é mais importante se a questão mencionava gays do que o conteúdo que ela cobria!

Não vi nenhuma opinião sobre o conteúdo exigido, somente sobre se menciona gays ou não. continuar lendo

Ele será chefe do executivo, a qual incube o vínculo do Ministério da Educação, e por consequência o INEP, ao governo. Dizer que o governo “não manda” é desconhecer a Constituição Federal.

E “Bolsonaro e seus seguidores” não têm “espalhado” que há doutrinação de esquerda: o Escola Sem Partido vem denunciando e demonstrando, através de diversas evidências e provas, que há doutrinação em escolas, seja política ou religiosa. E a maioria das doutrinações são de esquerda, pois, afinal, acreditam que tem esse direito. continuar lendo